Herpes (DST)

Herpes: Herpesvírus, Citomegalovírus e Vírus Epstein-Barr

 

Esses vírus não sobrevivem no meio hambiente por muito tempo e a transmissão geralmente requer a inoqulação de fluídos corporais da pessoa infectada diretamente em tecidos sucetíveis da pessoa não infectada. A relação sexual e o contato urogenital transmitem o herpes simples e o citomegalovírus.

 

Imagem ilustrativa sobre a doença herpes

Fonte da imagem: Google

 

Herpes Simples (HSV)

É uma das DSTs mais frequentes no mundo.
O período de incubação (período entre o contato e a primeira manifestação) varía de 2 a 14 dias e a duração das lesões pode levar até 21 dias.
A infecção primária costuma ser muito dolorosa, aparecem lesões vesiculares (bolhas pequenas) que depois abrem e se tornam úlceras. Podem aparecer linfonódos (ínguas) inguinais dolorosos e as lesões frequentemente são múltiplas e colotareias e podem ser acompanhadas ou não de mal estar sistémico.

 

Após a infeccção primária o HSV permanece em estado latente no local e pode haver reativação do vírus em outros momentos da vida. Geralmente os sintomas na recorrência são de menor intesidade e duração.

Lembrar que mesmo na recorrência existe reaplicação do vírus e potencial risco de transmissão. O diagnóstico é clínico e laboratorial e o tratamento adequado será instituido pelo médico assistente.

 

 

Citomegalovírus (CMV)

A maioria das infecções pelo citamegalovírus ocorre após o nascimento e na infância (60%) sem apresentar maiores sintomas e sem consequências a longo prazo.
Entretanto, a infecção no período produtivo (40%) assume relevância quando acomete mulheres grávidas (possível transmissão para o feto) porém somente 40 a 50% das mulheres grávidas que desenvolvem a primo-traço infecção irão transmiti-lá aos seus fetos e destes apenas 5 a 10% irão manifestar cintomatologia ao nascimento. Das crianças infectadas intra-útero, 90 a 95% são assintomáticas e até 10% delas podem manisfestar surdez ou retardo do desenvolvimento neuropsicomotor (microcefalia, calcificações intra-cerebrais…).

 

A infecção por esse vírus geralmente é assintomática. A transmissão do CMV requer contato com a pessoa infectada através da saliva, urina, esperma e outras secreções corporais. Aí estando a possibilidade de transmissão sexual.
Dentre os grupos de vírus o CMV é o de tratamento mais difícil. Para a prevenção de infecção em gestante recomenda-se o uso de preservativos durante toda a gestação. No recém nascido o diagnóstico de CMV pode ser feito através do teste do pézinho (não no teste básico e sim no teste completo.